Paul Hoffman - A Mão Esquerda de Deus - Ed.Suma das Letras

 sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Seu nome é Cale.

Disseram a ele que poderia destruir o mundo.

Talvez ele destrua...

O Santuário dos Redentores é um lugar desolador. Um lugar onde a esperança e a alegria não são bem-vindas. A maior parte dos meninos que habitam o lugar foi levada para lá muito nova e contra a vontade. Eles padecem sob o regime opressor dos Lordes Redentores, cuja violência e crueldade têm como único propósito honrar à memória do Redentor Enforcado - e passam suas vidas prisioneiros dos corredores labirínticos e tortuosos do Santuário, um lugar com séculos de história e segredos, e que ninguém conhece por completo...

No meio de um desses corredores há um menino. Talvez ele tenha 14 anos, talvez 15: ninguém sabe ao certo. Lá dentro, é chamado de Thomas Cale. Seu verdadeiro nome, já esqueceu há muitos anos. Ele esqueceu de tudo de sua antiga vida.

Em breve, será a testemunha de um ato horrendo. E é neste momento que começará a sua estraordinária vida futura.

O que achei...

Sensacional, o melhor livro, que li este ano.

O que chamou minha  a atenção nele: a capa, por sua aparência sombria. Tive a impressão que a leitura seria intrigante, envolvente e polêmica. E, realmente, ela superou minhas expectativas.

O autor Paul Hoffman, criou uma trama, com forte apelo emocional. É impossível não ficar horrorizada, com o tratamento recebido, por aqueles meninos, no Santuário.  Onde sentimentos como amor, ternura e bondade, não são conhecidos. Mas, fome, castigo, tortura e morte, sim.  Imagine como seria, viver em constante terror, e terá uma ideia do tratamento oferecido pelo Santuário.

O personagem central da trama  é: Thomas cale. Um menino com idade entre 14 e 15 anos. Treinado pelos Redentores para ser um guerreiro, mortal e implacável. Seu rosto, demonstra apenas indiferença, a tudo e a todos. Pois, aprendeu, que, a única forma de sobreviver, no Santuário, era  ocultando pensamentos e emoções. Assim, para salvar a vida de Riba, é obrigado a matar um dos Redentores.  E, usando sua inteligência, consegue fugir do Santuário, levando junto seus amigos, Henri, Klest e Riba.

É interessante ver o que acontece quando chegam a Menfis, e descobrem um mundo totalmente oposto ao deles. É lógico que  apesar de conhecerem a arte da guerra em outros aspectos sejam totalmente inocentes, o que acaba por colocá-los em situações perigosas.

A trama possui, cenário medieval, mas a linguagem usada pelos personagens é contemporânea.

Outra coisa interessante é a forma como o autor aborda o tema religião, o qual suscitou-me diversas reflexões, as quais não vou citar. Deixo para você leitor tirar suas próprias conclusões.

Ah, lembrando em alguns momentos  você terá a impresão que os personagens andam à deriva e não consegue imaginar qual será o destino deles. Mas, se prestar bem atenção na trama, você consegue perceber, indícios do que virá à seguir. Pois, o final é surpreendente e deixa muitas perguntas sobre o destino dos personagens.

A trama de Paul Hoffman é  simplesmente irresistível e inesquecível. Comparada em minha humilde opinião aos excelentes livros: O Nome da Rosa de Umberto Eco e Operação Cavalo de Tróia de J.J. Benitz, não por serem histórias semelhantes. Mas, pelo que elas tem em comun. A capacidade de serem lembradas e apreciadas por muitos leitores.

O que me faz aguardar ansiosamente o próximo livro desta trilogia.

Para mais informações sobre os próximos livros , acesse www.objetiva.com.br/amaoesquerdadedeus

Postar um comentário

Blogs que leio e recomendo

Total de visualizações de página

Números

PageRank

Estou em:

  © A MAGIA DOS ROMANCES